CENTRAL DE ATENDIMENTO: (21) 3237-9200  |  CONTATO@IBOL.COM.BR  |  INTRANET  |  INÍCIO  |  

IBOL - Instituto Brasileiro de Oftalmologia

Retina é foco de palestra no IBOL

Quais são as novidades a curto, médio e longo prazo para quem tem problemas de retina? O gerente médico de retina da empresa Novartis, Rogério Mauad, abordou este tema com os médicos do IBOL, neste mês.

“Para cada 10 mil móleculas modeladas, apenas uma chegará ao mercado de medicamentos”, disse Mauad. Segundo ele, os testes numa etapa clínica podem durar entre dois e 10 anos e são, normalmente, divididos em diversas fases.

Hoje, o custo estimado em um processo de desenvolvimento de novos medicamentos é em torno de U$ 1 bilhão e o prazo de uma patente que protege a venda do medicamento é de 20 anos. “Se uma molécula parece promissora, as empresas logo depositam uma patente. Como o desenvolvimento de cada nova droga leva em torno de 10 anos, estas só terão proteção de patente e exclusividade de venda por outros 10 anos. Por isso, muitas vezes o alto custo dos medicamentos”, explicou.

No campo das novas drogas para tratar pacientes com problemas de retina, segundo ele, haverá novidades no mercado a médio prazo: “já temos três moléculas promissoras em fase 1, testados em indivíduos saudáveis e algumas moléculas em fase 2, testadas em pacientes. Mauad acredita que os pacientes com problema de retina terão seis novas drogas para o aumento da acuidade visual a partir de meados de 2016 com lançamentos previstos, se tudo der certo, até 2019.

Mestre em Biologia Molecular pela Unifesp e professor convidado do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, Mauad proferiu sua palestra na última reunião científica do IBOL, realizada no dia 11 de maio de 2015, no auditório da instituição.


© 2017 IBOL - A cópia deste conteúdo está autorizada, desde que citada a fonte.